Pular para o conteúdo principal

Campeonato Brasileiro : O que os números dizem após a R12



Na última sexta feira fiz uma análise após a rodada 12 do Campeonato Brasileiro que foi publicada no blog Painel Tático no globoesporte.com. Baseado no histórico de todos os campeonatos brasileiros de pontos corridos resolvi aprofundar mais a análise para detectar com maior precisão algumas tendências. As análises a seguir demonstram dados consistentes sobre as perspectivas do atual campeonato:

Título

- Em 6 campeonatos o futuro campeão brasileiro já era o primeiro colocado;

- Em 2 campeonatos o futuro campeão brasileiro estava no G4;

- Em 5 campeonatos o futuro campeão brasileiro não estava no G4;

- Desde 2010 o campeão brasileiro estava em primeiro lugar e/ou no G4.

Conclusões:

-  Palmeiras tem 60% de chances de ser o campeão brasileiro de 2016;

- Grêmio, Internacional e Corinthians têm 15% probabilidade;

- Se for considerar o histórico desde 2010, a probabilidade do Palmeiras aumenta para 67%, já para Grêmio, Internacional e Corinthians, a probabilidade sobe para 33%. 

- Atlético Mineiro, Santos, Flamengo e São Paulo possuem 38% de chance de ser campeão brasileiro, mas, se considerar o histórico desde 2010, as chances são quase impossíveis, pois desde 2009 um time que  não estava no G4 na R12 foi campeão brasileiro;

- Houve uma maior coerência de comportamento dos clubes a partir de 2010, parecendo que após 7 campeonatos, os times começaram a entender melhor como disputar o campeonato brasileiro de pontos corridos.

Zona de Libertadores

- a média histórica demonstra que 2 times que estão no G4 na R12 terminam na mesma zona de classificação no final do campeonato;

- apenas em 2007 não havia nenhum time que terminou no G4 na mesma zona de classificação na R12.

Conclusões:

- Os 8 times que até a atual rodada disputam as primeiras posições possuem ainda 50% de probabilidade de se classificarem para a Libertadores da América de 2017.

Rebaixamento

- a média histórica demonstra que 2 times que estão no Z4 na R12 terminam na mesma zona de classificação no final do campeonato;

- apenas em 2004 não havia nenhum time que terminou no Z4 na mesma zona de classificação na R12.

Conclusões:

- Os times que até a atual rodada disputam para não ficarem no Z4 possuem ainda 50% de probabilidade de serem rebaixados ou escaparem do rebaixamento.

Como já virou senso comum que o futebol é uma metáfora da vida, onde tudo é imprevisível, essas conclusões estão baseadas em históricos estatísticos que podem contradizer esse que vos escreve, com surpresas que podem derrubar qualquer expectativa do torcedor e dos analistas. 

Na coluna da Folha de São Paulo desse domingo, o mestre Tostão encerra sua análise com a seguinte frase:

"É impossível acabar com tantos outros fatores técnicos, individuais, além do acaso e do mistério. Somos todos imprevisíveis."


Na análise tática, o terço inicial é o campo defensivo. Para os times conseguirem criar chances de gol, a bola precisa passar pelo terço de meio campo, até chegar ao terço final, que é a zona de ataque. Portanto, os times ainda precisam construir muito até chegar ao terço final, que são as 13 rodadas finais.

Não se pode se basear apenas nos números, mas que eles possuem dados reveladores não temos como contestar. Vamos aguardar as próximas rodadas do melhor campeonato brasileiro dos últimos anos para avaliar se os números comprovam ou contradizem essas análises e conclusões.















Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…