Pular para o conteúdo principal

Público e Renda: Campeonato Brasileiro Série A - Rodada 11



Copo meio cheio ou meio vazio?


Qual a melhor forma de analisar a rodada 11 vai depender da visão que se quer enxergar, pois após quatro rodadas de final de semana com média de público pagante acima de 17 mil, a rodada 11 foi a segunda pior em jogos de final de semana,  com 14.741 pagantes, mesmo com Palmeiras, Flamengo e Corinthians jogando como mandantes.

Corinthians e Palmeiras mantiveram suas altas médias de público, mesmo com o Palmeiras jogando no Pacaembu, onde mais de duas mil pessoas entraram gratuitamente devido lei municipal em equipamento público. Já o Corinthians teve sua segunda maior renda e público pagante em seus jogos com 40.341 pagantes e R$ 2,2 milhões de renda bruta.

Flamengo vai compensando a baixa capacidade da Arena do Urubu com alto ticket médio, conseguindo obter no jogo do último domingo a média de R$ 73,50.

Os demais jogos ficaram abaixo dos 20 mil pagantes, inclusive nos clássicos de Belo Horizonte e Salvador. Os outros cinco jogos ficaram abaixo dos 10 mil pagantes, o que puxou a média de público para baixo.

Essa é a forma de enxergar o copo meio vazio.

Por outro lado a rodada 11 teve a maior taxa de ocupação até o momento, com 51%, fazendo com que a média total tenha aumentado para um ocupação de 42%, ainda baixa, mas até o momento é a melhor taxa de ocupação em um campeonato nos últimos três anos, juntamente com 2015.

Ao se enxergar com viés do copo meio cheio é possível avaliar que a medida adotada pelo Flamengo e que já vem sendo utilizada pelo Atlético Mineiro e agora adotada também pelo Fluminense, ao decidirem mandar seus jogos em estádios menores, mas conseguindo lucratividade, mantendo boa taxa de ocupação, transformando suas arenas em caldeirões, pode ser uma boa estratégia.

Um dos motivos das boas taxas de ocupação na Inglaterra e Alemanha também são estádios com média de 30 a 40 mil, também nos Estados Unidos a estratégia de ter arenas modernas mas para públicos de até 30 mil parece que está sendo bem efetiva.

Ainda são os primeiros indícios, mas a estratégia de utilizar estádios com menor capacidade visando aumentar a taxa de ocupação pode ser um bom caminho a ser percorrido pelos demais times, pois fazer jogos em arenas com capacidades altas como Mineirão e Maracanã, além do Morumbi talvez não seja a melhor estratégia para jogos sem apelo.

Esse tema deveria ser melhor avaliado pelos gestores visando aumentar a taxa de ocupação e lucratividade com bilheteria. 

Vamos aguardar as próximas rodadas para avaliar essas tendências.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a base de torcedores em sócio torcedores e em compra de ingressos para os jogos de futebol. Aprofundando um pouco mais o estudo surgiu a curiosidade em calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.
A base de torcedores utilizada foi a pesquisa de 2016 do Instituto Paraná Pesquisas, pois é a mais recente do mercado. Como base do consumo de cada torcida foram utilizados os dados compilados pelo Rodrigo Capelo do blog Época Esporte Clube, onde foi considerado como consumo dos torcedores as receitas com bilheteria, sócios torcedores e sócios patrimoniais. No caso do Corinthians, apesar do balanço não considerar receitas com bilheteria, na análise foi considerado R$ 48 milhões líquidos com essa fonte de receita, de acordo com o balanço do fundo do estádio.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedore…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…