Pular para o conteúdo principal

Público e Renda: Campeonato Brasileiro Série A - Rodada 14 e 15



Após mais duas rodadas a avaliação que podemos fazer do comportamento do torcedor no Brasileirão se remete ao ditado português “Tudo como dantes no quartel de Abrantes” , que significa que tudo permanece sempre na mesma, sem alteração. 

Passadas cinco rodadas da R10, a média de público pagante, renda bruta, taxa de ocupação e ticket médio permanecem quase inalterados. São 15,4 mil pagantes/ jogo, R$ 550 mil/jogo de renda bruta, 42% de taxa de ocupação e ticket médio de R$ 28,58.

Quando Corinthians, Palmeiras e Grêmio jogam como mandantes na mesma rodada a média geral aumenta, tanto que a R14 teve a maior média de público pagante (21.013/jogo) e maior média de renda bruta (R$ 922 mil/jogo). A R14 teve o jogo Vasco x Santos disputado com portões fechados devido aos incidentes da semana anterior em São Januário. O jogo Cruzeiro x Flamengo também contribuiu para esse resultado, sendo a maior renda do Cruzeiro no campeonato até o momento.

Quanto ocorrem rodadas no meio de semana a média de público cai, ainda mais com Corinthians, Palmeiras e Grêmio como visitantes. Infelizmente a R15 foi a pior média de público do campeonato, com menos de 10 mil pagantes / jogo.

Os times de menor torcida conseguem maiores médias de público e renda quando recebem times grandes dos maiores centros do país, nos demais jogos as médias despencam.

Corinthians, Palmeiras e Grêmio continuam com as maiores médias de público, responsáveis por 31% de todo o público do campeonato. Corinthians, Palmeiras e Flamengo continuam com as maiores médias de renda bruta, responsáveis por 45% do total arrecadado até o momento.

Enquanto lemos entrevistas de ex presidente de time de futebol mencionando que jogos de futebol não são para pobre, o Campeonato Brasileiro mantém a taxa de ocupação em torno de 40%, sendo o décimo terceiro campeonato do mundo em média de público pagante, atrás países como México, Holanda, China, Estados Unidos, Japão, além da segunda divisão da Alemanha e Inglaterra. Vale a pena ler a análise que efetuei sobre o tema.

Avaliar se o copo está meio cheio ou meio vazio depende da forma como se quer interpretar os dados, mas o que mais se deve entender são os motivos que fazem com que o torcedor de todas as classes não frequentam estádios de futebol em maior número. Esse fenômeno é histórico e precisa ser melhor entendido pelos gestores visando mudar o cenário que se repete anualmente, onde em linhas gerais:

- Times com melhor campanha são os que conseguem as melhores médias de público e renda;

- Torcedores frequentam e pagam pagar mais em jogos de Copa do que nos pontos corridos;

- Campeonatos em que o torcedor percebe que há mais jogos que valem o público é maior;

-  Jogos da seleção brasileira;

- Jogos com baixa percepção de risco/violência nos estádios.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…